Dr. Flávio contou a história, às gargalhadas. Isso foi em 1963, aproximadamente. Ele estava numa reunião de diretoria da empresa onde nós dois trabalhávamos e, lá pelas tantas, um dos americanos resmungou shit hit the fan. A expressão era novidade para o Dr. Flávio (e para mim também), mas já não era tão nova nos EUA.

Como se diz isso em português? Claro, você sabe tão bem quanto eu, mas vale a pena pensar um pouco sobre o assunto. Porque a tradução, digamos, canônica, jogaram merda no ventilador me parece digna de atenção e algum estudo.

Em inglês, shit chega ao ventilador,  é a agente da ação e, por isso, sujeito da oração. Em português, a merda é jogada no ventilador, quer dizer, é paciente da ação e, por isso, sintaticamente, é objeto direto. Esse fenômeno é o que Vinay e Darbelnet chamavam modulação, ou seja, uma mudança no modo de ver o que se passa.

Mas a oração portuguesa não fica, como não poderia ficar, sem sujeito: agregamos um jogaram, forma verbal que traz, oculta em seu bojo, um pronome de terceira pessoa do plural, que funciona como sujeito. A isso se chama sujeito indeterminado. Alguém jogou a merda no ventilador. Não sabemos quem, sabemos e preferimos não dizer, talvez por ser óbvio. Essa é uma construção muito comum no português: aumentaram o preço do leite, proibiram a gente de ir na escola com camiseta do Ché Guevara, deram dois tiros no motorista, coisas assim.

Essas construções portuguesas com sujeito indeterminado são difíceis de traduzir. Imagine se a forma original fosse jogaram merda no ventilador. Como é que você ia traduzir para o inglês essas frases com sujeito indeterminado? Bom, agora você já sabe.